Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência?

É possível que você tenha uma vida muito ocupada, usando sua mente para resolver problemas e criando soluções para o dia a dia, mas provavelmente você já se sentiu agindo sem inteligência não é mesmo?


Essa sensação pode ser facilmente compreendida quando analisada sob o ponto de vista da neurociência, segundo Livia Ciacci, neurocientista e Mestre em Sistemas Neuronais do SUPERA – Ginastica para o cérebro.

O primeiro ponto para entendermos o porquê nos sentimos assim é entender que a inteligência como a entendemos hoje é um fator que depende de algumas variantes, veja: 

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

Como sei que estou usando o cérebro da forma correta?

O cérebro humano é um órgão incrível, mas, assim como a própria natureza humana ele também é limitado. Muitas vezes nos alimentamos mal, dormimos mal, nos forçamos a ter motivação por coisas que não gostamos, tentamos absorver um volume imenso de informações e gastamos muita energia tomando decisões fúteis.

“E depois de tudo isso, queremos que o cérebro tenha um desempenho incrível, e perguntamos como fazer para ser mais inteligente! O primeiro passo, que estaria escrito no manual de instruções do cérebro, é respeitar as limitações biológicas e ajudá-lo a ficar saudável”, lembrou a cientista.

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

Algum esforço mental pode nos deixar mais inteligentes?

Inteligência é um termo com muitas definições a depender da área de estudo, mas pode ser entendida como a capacidade de analisar informações, aprender com a experiência e adaptar-se ao ambiente. Podemos entender a inteligência principalmente como a habilidade de usar nossos sentidos e pensamentos para resolver problemas, o que não é simplesmente receber um estímulo do ambiente e reagir a ele, segundo a especialista. “Ser inteligente na espécie humana é saber analisar dados racionalmente – adotando o tipo de pensamento metódico – e ao mesmo tempo perceber que pode mudar o ponto de vista e inverter totalmente a estratégia – adotando o tipo de pensamento flexível”, lembrou.

O treino cognitivo e a inteligência

A ginástica para o cérebro ou treino cognitivo torna uma série de habilidades mais bem desenvolvidas e automatizáveis com mais facilidade, o que poupa energia para usar em processos de pensamento mais lentos, como ponderar decisões e ser criativo. 

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

“Foco, concentração, memória, noção visuoespacial e atenção são funções cognitivas base para todo processamento cognitivo – treiná-las é como ‘afiar o machado’. Por exemplo, se desenvolvemos a habilidade da atenção seletiva, conseguimos focar melhor nas informações úteis sem o desespero de tentar “guardar tudo na cabeça” – o que seria ineficaz! Se desenvolvemos bem a memória de trabalho, entendemos que ela é limitada e aprendemos quais estratégias vão funcionar para que você não esqueça aquela tarefa importante”, lembrou Livia Ciacci, neurocientista do SUPERA.

Como usar melhor o cérebro em diferentes faixas etárias?

Algumas dicas para usufruir melhor das habilidades do seu cérebro:

  1. Otimize a energia: O cérebro é naturalmente preguiçoso porque pensar gasta muita energia. Quando forçamos o pensamento durante muito tempo em uma mesma tarefa, provocamos a fadiga mental – estado onde não conseguiremos progredir e ainda comprometemos a qualidade das nossas decisões. O ideal é que haja alternância entre períodos mais curtos de esforço mental com períodos de descanso, ou atividade intelectual alternada com atividade manual.
Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência - SUPERA - Ginástica para o Cérebro
  • E continue otimizando…: A fadiga mental após o tempo de esforço cognitivo também vale para decisões. Quanto maior o número de decisões que tomamos, menos energia (e menos qualidade de raciocínio) temos para as próximas decisões! A dica é diminuir os atritos de decisão – a rotina aqui é nossa aliada. Deixar o cardápio da semana pronto, a roupa do dia seguinte separada, a agenda visível e organizada são hábitos que poupam o cérebro de tomar uma série de pequenas decisões, que no fim das contas, somam um grande volume!
  • Não tente guardar tudo na cabeça: Tentar absorver excesso de informação é o erro mais comum das gerações atuais, o cérebro não foi feito para gravar tudo! Eleja seus curadores, quem são as referências confiáveis sobre os assuntos que mais são úteis para você? Use ferramentas externas para registrar ideias e informações: Anote ou desenhe tudo que faz sentido e será útil para você, libere espaço mental para as melhores habilidades do cérebro – imaginar e planejar!
Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência - SUPERA - Ginástica para o Cérebro
Quero uma aula grátis!
  • Pense também com o corpo: Use a cabeça, mas use-a junto com o corpo! Pensar sobre um problema caminhando, dançando, ou apenas desenhando e colando post´its pode amplificar sua capacidade de percepção, varie os espaços e os métodos!
  • Aproveite o coletivo: Ninguém consegue saber tudo, mas um grupo de pessoas com saberes diferentes pode chegar a ideias muito mais inteligentes! Converse mais sobre ideias e menos sobre as vidas das pessoas.

Questione sempre: Nossa percepção de mundo é totalmente tendenciosa, medimos tudo com a régua das crenças e vieses que construímos desde a infância. Por isso o hábito de questionar e de não ter medo de mudar de ideia pode tornar o pensamento mais flexível, e consequentemente, mais eficiente.

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS: 

Instagram | Facebook | Youtube | Linkedin |  Twitter

Quer receber Dicas e Desafios pelo Whatsapp é gratuito. Acesse https://bit.ly/2Y5tWQi

Publicado em 25.11.2021- Por VMCom Fonte Método Supera