Dicas de cuidados necessários com a imunidade durante o inverno

Chegamos no inverno; estação do ano amada por muitos e mal vista por outros. Ao refletirmos sobre esse momento, sabemos que é o período do ano onde é preciso intensificar os cuidados com a imunidade, devido o aumento das doenças respiratórias em idosos, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Um exemplo é o H1N1, que é um subtipo de vírus da gripe tipo A, que pode ser encontrado em diversas espécies de animais.

Dicas de cuidados necessários com a imunidade durante o inverno - SUPERA - Ginástica para o Cérebro
Durante o inverno, os cuidados com a imunidade devem ser redobrados, principalmente entre os idosos e 60+. Saiba mais na Coluna Saúde Mental da semana.

A doença causada por ele é denominada como gripe/influenza A. A pandemia de 2009 caracterizou-se por uma variante de gripe suína e foi identificada inicialmente no México. Uma das complicações mais frequentes, principalmente em idosos e em indivíduos vulneráveis, é a pneumonia.

Entretanto, estamos convivendo com uma nova doença respiratória, que também pode aumentar o seu contágio neste período do inverno: a COVID-19. É importante pensarmos em acentuar os cuidados, que envolvem prevenção, hábitos de vida saudáveis e uma alimentação balanceada e atenção com a imunidade.

 É importante destacar que o sistema imunológico, – também conhecido por sistema imune ou de defesa – é responsável por defender o nosso organismo contra doenças e infecções causadas por vírus, bactérias e outros organismos. Não podemos esquecer de proteger nossa imunidade, na prevenção das doenças respiratórias mais prevalentes na estação do inverno.

o longo dos anos, este sistema de defesa se modifica, ficando menos eficiente. Isso pode facilitar a instalação de doenças que podem evoluir no organismo, podendo causar graves complicações e levar até mesmo à morte. O processo de envelhecimento do sistema imunológico é denominado tecnicamente como imunossenescência.  Por isso, os cuidados com a saúde no envelhecimento podem fortalecer a nossa imunidade.

Um outro aspecto importante de discutirmos são as chamadas Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como a Hipertensão Arterial Sistêmica e a Diabetes Mellitus – doenças comuns às pessoas idosas e que podem comprometer ainda mais o sistema imunológico. Sendo assim, a associação entre DCNT e envelhecimento dificulta o combate contra doenças e infecções, tal como a provocada pelo coronavírus. Com base nisso, podemos reforçar que adultos e idosos que apresentam estas condições de saúde precisam realizar o controle da doença, para se manterem estáveis.

Estes são mais vulneráveis à COVID-19 pelo fato de terem o sistema imunológico mais comprometido em comparação aos idosos que não tem diabetes e nem hipertensão. Gostaríamos de compartilhar com vocês dicas muito importantes. Primeiro, destacamos os cuidados que devemos realizar do ponto de vista de prevenção, para não desenvolvermos ou estarmos expostos a doenças crônicas respiratórias durante o inverno. Segundo, destacamos hábitos de vida saudáveis e cuidados preventivos e sanitários para nos prevenirmos do desenvolvimento da COVID-19.

Listamos algumas dicas de cuidados durante o inverno, segundo BARBOSA et al, São Paulo, 2020:

  1. Tenha uma alimentação saudável;
  2. Evite o cigarro e os ambientes que tenham muita fumaça ou poeira;
  3. Proteja-se, evitando contato com indivíduos que estejam gripados ou resfriados;
  4. Mantenha os ambientes ventilados;
  5. Beba bastante líquido para se manter hidratado;
  6. Previna-se mantendo uma respiração pelo nariz e não pela boca;
  7. Tecidos que usamos, como por exemplo, lençóis, edredons e roupas precisam ser lavados e expostos ao sol com frequência;

A seguir, trouxemos alguns cuidados preventivos de combate à COVID-19, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, da OMS:

  1. Lave as mãos com frequência e não se esqueça dos punhos;
  2. Se não puder lavar as mãos com água e sabão, utilize álcool em gel 70%
  3. Se não estiver com as mãos lavadas, não toque nos olhos, na boca e no nariz
  4. Não utilize as mãos ao tossir ou espirrar. Cubra boca e nariz com o braço ou com lenço
  5. Se uma pessoa estiver tossindo ou espirrando, mantenha uma distância segura de 2 metros
  6. Evite cumprimentar com abraços, apertos de mão e beijos
  7. Sempre higienize o celular
  8. Fique em casa e evite a circulação desnecessária
  9. Quando for sair de casa, utilize máscaras artesanais ou caseiras
  10.  Tenha uma alimentação saudável e durma as quantidades de horas necessárias para você
  11. Conserve o ambiente limpo e arejado
  12. Objetos como talheres, toalhas, pratos e copos não devem ser compartilhados

Gostaríamos de finalizar esta matéria reforçando que é possível envelhecer bem e com saúde e que estes aspectos possibilitam a manutenção da autonomia e da independência no decorrer dos anos de vida adquiridos. Aproveitamos também para reforçar a importância dos cuidados com imunidade, pois se não nos vacinarmos, podemos desenvolver doenças virais prevalentes na estação do inverno.

Que tal conhecer a Ginástica para o Cérebro de perto? Clique aqui e agende sua AULA GRÁTIS!

Fontes:

BARBOSA. M. HOSPITAL DO CORAÇÃO (HCor). Doenças respiratórias de inverno: Hospital do Coração dá dicas de como se prevenir das doenças respiratórias que aparecem no inverno. c2017. Disponível em: <https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/doencas -respiratorias-de-inverno/>. Acesso em: 11 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Events as they happen. Página atualizada em 01 jun. 2020. Disponível em: <https://www.who.int/emergencies/ diseases/novel-coronavirus-2019/events-as-they-happen>. Acesso em: 02 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Descubra o quanto você sabe sobre esse novo tipo de coronavírus. PAHO TV, 2020. 1 filme (4 min 23 seg). Disponível em: <https://youtu.be/9Z70QF8OMZQ>. Acesso em: 01 jun. 2016.

TINÉ, L. 10 anos do surto global de H1N1. Blog da Saúde. Ministério da Saúde. 11 abr. 2019. Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/53845-10-anos- do-surto-global-de-h1n1>. Acesso em: 02 jun. 2020.

Texto Redigido Por:

Ana Paula Bagli Moreira – Bacharel em Gerontologia pela Universidade de São Paulo. Defendeu em 2019 seu Trabalho de Conclusão de Curso com o título: Análise da efetividade do Programa Envelhecimento Ativo do Hospital da Universidade de São Paulo. Com extensão pela Universidad Estatal Del Valle de Toluca – México e experiência em Iniciação Científica  pelo Programa Unificado de Bolsas da USP.

Gabriela dos Santos – É gerontóloga pela Universidade de São Paulo (USP), com extensão pela Universidad Estatal Del Valle de Toluca – México e experiência em Iniciação Científica  pelo Programa Unificado de Bolsas da USP. Membro da pesquisa científica de validação do Método SUPERA.

Mariana Garcia Zumkeller- Graduada em Gerontologia pela Universidade de São Paulo (USP), Gerontologia Social na Escola Superior de Educação de Coimbra no Instituto Politécnico de Coimbra- Portugal. Experiência em Iniciação Científica  pelo Programa Unificado de Bolsas da USP. Membro da pesquisa científica de validação do Método SUPERA.

Mauricio Einstoss de Castro Barbosa – Graduado em Gerontologia pela Universidade de São Paulo, com participação no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde/Interprofissionalidade) e atuação como estagiário de Gerontologia na Coordenação de Políticas Para a Pessoa Idosa – Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania – Prefeitura de São Paulo.

Thais Bento Lima-Silva- Profa. Dra. Thais Bento Lima-Silva, Docente do curso de Graduação em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), Coordenadora do curso de pós-graduação em Gerontologia da Faculdade Paulista de Serviço Social (FAPSS), pesquisadora do Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e conselheira executiva da Associação Brasileira de Gerontologia (ABG). Colunista e Assessora científica de pesquisa do Método SUPERA Ltda.